sábado, 22 de janeiro de 2011

Você sabe o que é Condutas Típicas?

CONCEITO DE CONDUTAS TÍPICAS

Segundo o Ministério da Educação e Cultura – Secretaria de Educação Especial, Condutas Típicas são “manifestações comportamentais típicas de portadores de síndromes e quadros psicológicos, neurológicos ou psiquiátricos que ocasionam atrasos no desenvolvimento da pessoa e prejuízos no relacionamento social, em grau que requeira atendimento educacional especializado”.(MEC-SEESP,1994, p.7-8).
De acordo com o Diagnostic and Statistical Manual for Mental Disorders (DSM IV, 1994). Os Distúrbios de Conduta referem-se a padrões persistentes e repetitivos de comportamento humano que violam os direitos de outros, atuando por um período de seis meses, contra as normas apropriadas para a idade ou regras sociais.
São alunos que apresentam comportamentos inconvenientes ou inadequados, causando danos a si mesmos e aos outros, bem como prejuízo em suas relações no contexto em que vivem, podendo ainda apresentar dificuldades de aprendizagem.

As dificuldades de adaptação escolar causadas por esses comportamentos tendem a prejudicar e, por vezes, inviabilizar as relações do aluno com o seu professor e/ou com os seus colegas, com os materiais de uso coletivo e ainda no processo de ensino-aprendizagem. Tais atitudes se manifestam num contínuo, desde a simples inquietude até comportamentos estranhos, que permanecem por um tempo prolongado, acima de seis meses, e que podem ser identificadores de Condutas Típicas. Exemplos:
• falta com a verdade;
• prática de pequenos furtos (para chamar a atenção);
• grita, não fala;
• fala o tempo todo;
• fala sozinho;
• locomove-se o tempo todo;
• autoagressão (automutilação) e/ou agressão com os outros;
• recusa em seguir regras e normas estabelecidas;
• dificuldade de relação com os colegas e professores;
• ausência ou pouco contato visual;
• destrói propriedade alheia;
• desatenção;
• medos excessivos, fobias;
• movimentos contínuos e repetitivos;
• comportamentos estranhos;
• comportamentos maliciosos, vingativos;
• fala desconexa;
• birras constantes, cuspir, morder, gritar;
• comportamento de desafio e de oposição;
• imitação excessiva das ações dos outros;
• choro/riso imotivados, e outros;
• recusa em verbalizar;
• timidez excessiva.
Ressalte-se a possibilidade de que 50% ou mais dos comportamentos acima descritos se apresentem juntos numa mesma pessoa, numa gravidade tal que configure uma síndrome, disfunção ou desvio de comportamento, a ponto de necessitar de intervenção da área da Saúde Mental para avaliação e atendimento.

COMO RELACIONAR-SE

• procure manter-se calmo e sereno, controlando a ansiedade e o nervosismo ao se relacionar com a criança;
• ajude-o a integrar-se ao grupo;
• enalteça suas qualidades sem exigir-lhe em dar mais de si do que consegue dar;
• não se deixe levar pelas chantagens emocionais;
• não ceda a acessos de raiva, espere passar para iniciar um diálogo;
• seja direto e não crítico com a criança;
• demonstre confiança e amizade;
• dê apoio e ofereça opções para resolver o problema que se apresenta;
• toda criança necessita de um sorriso, de um abraço e de uma dose diária de bom humor;
• solicite ajuda a um adulto sempre que necessitar de apoio ou se sentir inseguro.

2 comentários:

  1. Ótimas dicas. Muitos significativas pra mim...valeu

    ResponderExcluir
  2. Tenho tres cças que se encaixam nesse perfil mas infelizmente não tem acompanhamento especializado, ressaltando que os tres ficam na mesma sala,sendo uma sala com 26 cças frequentes. Obrigada pelas dicas mas não eh sempre que funcionam. Valeu.

    ResponderExcluir